Secador de cabelo também pode ser arte?

Secador de cabelo também pode ser arte?

O secador de cabelos pode ser considerado uma das grandes invenções da humanidade. Afinal, diferente do ar-condicionado, da máquina de lavar-louças ou do liquidificador, esse pequeno utensílio, além de tornar nossa vida mais prática, ainda é capaz de deixar mulheres e homens mais bonitos. Vocês conseguem imaginar como seria a sociedade atual se o secador de cabelo nunca tivesse sido inventado?

Sua invenção mudou a vida de muitas moçoilas, mas nem sempre ele foi tão prático como é agora. Antes de sua criação, quando queriam secar suas madeixas, as moças utilizavam o ferro de engomar. Acreditem! As que desejavam fazer ondas ou cachos em seus cabelos iam mais além e utilizavam ferros cilíndricos aquecidos no fogão. Não devia ser fácil, não é mesmo?

Toda essa trabalheira e sacrifício por parte das moças da época durou até meados de 1920, quando os primeiros secadores de cabelos elétricos surgiram. Mas engana-se quem pensa que eles eram práticos e fáceis de usar. Os primeiros secadores eram feitos de cromo, alumínio ou aço e com o cabo de madeira, o que os deixava pesados e muito mais difíceis de usar.

arte_secador.jpgJá nos anos de 1930, as coisas começaram a melhorar, pois os fabricantes passaram a arriscar em novos materiais na hora de fabricar os secadores, tais como o plástico. Os secadores também passaram a oferecer a vantagem de se poder controlar a temperatura e a própria velocidade. O que pode ser considerado um grande avanço para a época.

A primeira grande inovação em termos de secador de cabelo, e a mais próxima do que conhecemos hoje por esse modelo, só ocorreu por volta do ano de 1951, quando a famosa cadeia de grandes armazéns Sears Roebuck and Co. incluiu em seu catálogo de vendas um secador de cabelo portátil, ao preço de 13 dólares. Tratava-se de um secador manual, que acompanhava uma touca de plástico cor-de-rosa, que se unia à boca do tubo e se ajustava à cabeça do utilizador.

arte_secador_2.jpg

A partir daí, o secador de cabelos foi lançado rumo ao estrelato. Novos modelos passaram a surgir e as vendas não pararam de aumentar. Até que ele se tornou extremamente popular, tanto entre as mulheres, quanto entre os homens. A década de 1950 recebeu, então, outros ares, marcados pelo glamour dos penteados suntuosos, que só foram possíveis graças a esse pequeno aparelhinho que amamos.

Atualmente, contamos com os mais diversos tipos e modelos de secador. Temos os portáteis, para aqueles que viajam muito; os muito potentes, para aqueles que possuem muito cabelo; há modelos que utilizam combinações de íons positivos e negativos, para acelerar o processo de secagem; entre outros. No entanto, aprendemos, com o passar dos anos, que seu uso pode ir bem além de apenas secar cabelos, assim como deixa claro o título deste artigo. E não, você não leu errado: o secador de cabelos que você conhece e tem em casa, agora, também, é utilizado para fazer arte.

O responsável por essa inovação é o artista e mágico Antoine Terrieux’s, que decidiu tentar fazer, depois de adulto, algo que muitos talvez já tenham tentado quando criança: utilizar um secador de cabelo para impulsionar objetos!

Terrieux’s utilizou alguns secadores de cabelo para montar uma estrutura que produzisse o efeito de voo interminável. Para tal fim, foram ajustados e ligados alguns secadores em um círculo. Isso foi feito para que o ar quente que sai deles conseguisse sustentar uma pequena bolinha girando no ar. Mas como é possível? A ciência diz que o fenômeno ocorre porque a bola é suspensa pelo fluxo de ar gerado por eles, que diminui a pressão e promove uma rotação da bola. Seu movimento, então, é compensado pela gravidade, que também não atua eficientemente, falhando em fazer a bolinha cair, o que normalmente aconteceria. Soa complicado assim, não é? Mas, na realidade, não é difícil de ser feito, e você pode, inclusive, reproduzir o efeito em casa, utilizando um secador ligado no ar quente e uma bolinha.

Agora você já pode correr até o secador mais próximo e por em prática essa experiência.

Deixe um comentário